MÉTODO BIG BETS

Existem vários modos de construir uma empresa. Alguns "dão mais certo" e "levam mais longe" do que outros. Esse artigo resume nossa visão sobre o caminho que tem a maior probabilidade de sucesso para quem quer construir algo grande e os principais perigos que podem afastar os empreendedores dessa rota. 

 

Na nossa visão, as trajetórias mais bem sucedidas têm o seguinte roteiro:

Começam por uma base sólida composta por SOCIEDADE e IDEIA. A sociedade é formada pelo time de fundadores que aporta suas paixões e aptidões para resolver um determinado problema ou perseguir uma visão de como o mundo deveria ser (a ideia). Quanto maior o problema ou mais ambiciosa for a visão de mundo dos fundadores, maior a capacidade da companhia para mobilizar pessoas e atrair recursos.

 

Tendo uma ideia para trabalhar, o time fundador começa a "jornada de descoberta" com o objetivo final de construir um PRODUTO. Quanto mais detalhada e fundamentada for a etapa de descoberta, maiores as chances do time "construir algo que as pessoas amem". Quando esse objetivo é alcançado, a empresa geralmente começa a ser inundada pela demanda do mercado, sedento pela novidade. É quando a empresa atinge o chamado "product market fit".

 

Depois de atingido o product market fit, uma EMPRESA  começa a ser construída ao redor do produto. Os empreendedores precisam tanto se desenvolver para não virarem gargalo do crescimento do negócio quanto formar um time para ajudá-los a vender, entregar e organizar o crescimento da companhia. Processos, controles e sistemas se tornam necessários para que uma boa gestão possa ser feita e a cultura mantida. 

 

Em paralelo, investidores têm tido papel cada vez mais central na construção dessas histórias, seja para ajudar os empreendedores a "comprarem seu tempo" no início da jornada, seja para "acelerar o crescimento" do negócio uma vez que os empreendedores entendem como criam e capturam valor. Fazer uma ou algumas rodadas de FUNDRAISING e aprender a lidar com as decorrentes implicações na GOVERNANÇA da empresa são assuntos fundamentais.

 

Existem uma série de estudos que mostram as características mais comuns das startups bem sucedidas. O mais famoso deles é o Startup Genome Report, uma análise feita a partir de uma base de mais de 650 empresas com o objetivo de buscar o "DNA" necessário para ter sucesso. Também conhecida é a matéria Welcome to the Unicorn Club, atualizada de tempos em tempos pelo TechCrunch com as principais lições das empresas que ultrapassaram o patamar de 1 bilhão de dólares de valor de mercado. Também há o Land of the Super Founders e State of Startups repletos de estatísticas.

 

Por outro lado, existem alguns estudos que mostram as maiores razões pelas quais as empresas fracassam. O CB Insights atualiza frequentemente análises sobre as estatísticas do Funil de Venture Capital e as 20 Principais Razões de Fracasso das Startups. Há também compilados como o Autopsy, o maior banco de dados de fracassos de startups, que conta com mais de 2 mil análises de empresas que deram errado. O próprio CB Insights tem uma Coletânea com Quase 300 "Post-Mortems" escritos pelos fundadores digerindo os aprendizados trazidos pelos insucessos em suas jornadas.

 

Histórias de sucesso e de fracasso têm se desenvolvido em um padrão cada vez mais claro e conhecido. Está no DNA do Big Bets estudar esses padrões e apresentar de forma clara guias e mapas que ajudem os empreendedores a construírem suas empresas da melhor forma possível.

QUER FAZER COM MÉTODO? Faça parte do Big Bets.